Paramédicos nos céus: futuro do resgate pode incluir mochila a jato

Oi-SolucoesBI-02-LojaWifi.jpg
As transformações digitais que continuam pós-pandemia
9 de outubro de 2020
Mapa-2.jpg
Mapas rastreiam queimadas no Brasil
14 de outubro de 2020
88f2deda-a712-489a-bd06-35f8e8bb4a38.jpg

Já faz muitos anos que helicópteros, carros e aviões têm sido usados em situações de resgate, como forma de chegar até as vítimas ou de transportá-las. Agora, um novo aparelho pode mudar todo o funcionamento das operações emergenciais: a mochila a jato.

Os primeiros testes com a inovação foram realizados na região do Lake District, no Reino Unido. Como a área é bem montanhosa, assim como muitos dos locais onde ocorrem os resgates, ela se tornou o lugar perfeito para pôr o equipamento à prova.

A médica emergencista paulistana Karina Oliani foi a primeira brasileira e uma das poucas mulheres a participarem dos testes. “A mochila a jato, na minha opinião, representa o transporte de futuro. Há oportunidades maravilhosas para sua aplicação no universo do resgate.”

Ela tem razão. Quando se trata de acidentes e incidentes inesperados que colocam pessoas em risco de vida, o tempo de resposta dos socorristas é essencial. “Em certos casos, se o paramédico chegar mais rapidamente à vítima, pode ser a diferença entre a vida e a morte.”

E a mochila proporciona justamente essa velocidade, além de poder ser importante para alcançar áreas inacessíveis a outros meios de transporte. Na opinião de Karina, a invenção pode ser revolucionária não só para médicos, mas para policiais, militares, entre outros.

A ideia é que, em um futuro próximo, o paramédico possa se munir da mochila e de um kit médico para rumar rapidamente em direção à ocorrência. De acordo com o Serviço de Ambulância Aérea do Grande Norte, responsável pela criação, os testes foram tão bem que a previsão é de que haja paramédicos voando pelos céus já no próximo inverno.

Continua após a publicidade

Confira os produtos da Etiquetaria Paulista!

Acesse:

Os comentários estão encerrados.